COMO FAZER VIAGENS INESQUECIVEIS COM ORÇAMENTO APERTADO

– 1º TRUQUE: Definir o valor que quero gastar

Defino um valor e tudo o resto organizo a partir dai e acreditem que este truque me tem ajudado muito. É mesmo o ponto fundamental, até porque como em muitas das viagens vou com amigos, tenho que lhes dar logo um valor, para eles também organizarem a sua carteira.

– 2º TRUQUE: Perceber que tipo de viagem me apetece.

Existem alturas em que me apetece simplesmente ir apanhar sol e descansar, sem ter que me preocupar muito e sem ter que me deslocar muito. Como existem momentos em que me apetece ir somente à aventura. Ou então o que me costuma acontecer na maioria das vezes, que é conciliar descoberta com descanso no fim.

– 3º TRUQUE: Qual a época em que se vai fazer a viagem

Conforme a época do ano escolhida, começo a escolher o destino. No Inverno em Portugal, adoro ir para a Ásia ou para as Caraíbas. No Verão, atrai-me a Europa e os Estados Unidos. Já para ir À Austrália a época depende da zona para onde se pretende ir, isto porque como o país é enorme, consegue-se encontrar as quatro estações no mesmo mês.

– 4º TRUQUE: Quantos dias posso gastar para o orçamento que tenho?

Com o destino a ser definido, preciso perceber quantos dias vou necessitar de ir, mas mais importante, se o meu orçamento dá para ir nos dias pretendidos.

– 5º TRUQUE: Definir o voo principal

Com os dias marcados, marco logo o voo internacional e aqui tenho muitas opções. Se der vou em voo direto, mas se for em voo com escala, das duas uma: ou a escala é muito seguida, para quase nem ter a sensação de mudança de voo ou então a escala deve permitir-me conhecer o local e dormir pelo menos uma noite antes de seguir viagem.

– 6º TRUQUE: Começar a definir locais a visitar

Aqui começo a ver por onde começar o roteiro e onde terminar. Normalmente gosto de começar com a parte mais ativa e no fim relaxar. Assim, mediante o que quero ver, defino os dias para os locais a visitar. Por exemplo: 4 dias na cidade e 10 dias na praia.

– 7º TRUQUE: Ver e marcar ligações entre os diferentes locais a visitar

A partir daqui começo a marcar as ligações entre as zonas a visitar. Quer seja voo doméstico, barco, autocarro, comboio… Pode até parecer fácil, mas a verdade é que implica muita pesquisa, porque por vezes existem locais em que a única ligação é feita uma vez por dia. Tenho que arranjar forma de conseguir apanhar o meio de transporte, mas para isso preciso perceber se tenho que dormir de véspera no local de ligação, ou se consigo fazer a ligação a tempo. Por exemplo: na Tailândia queria ir passear umas noites nas Phi Phi. Como o meu voo de Banguecoque para Phuket chegava depois das 17h, já não conseguia seguir logo para as Phi Phi. Das duas uma, ou marcava um voo mais cedo, que me desse espaço de manobra para chegar ao porto de embarque a tempo de um barco para a ilha, ou então teria que dormir uma noite em Phuket antes de seguir viagem. Este é um ponto importante, porque quando envolve apanhar mais do que uma ligação, tens que conseguir coordenar tudo muito bem.

– 8º TRUQUE: Pesquisar alojamento

Nesta fase como já sei quanto vou gastar em transportes, também já sei quanto ainda tenho disponível para alojamento. É uma questão de pensar o tipo de alojamento que pretendo e quanto estou disposta a pagar.

Para mim é essencial a localização (procuro zonas próximas do que pretendo visitar, mas que não sejam muito povoadas), qualidade vs. preço (tem que ter um certo nível, como por exemplo água quente e nada de osgas, bichos que odeio e que na Tailândia existem imensos) e, por fim o nível de experiência que me vai proporcionar.

Na parte de aventura, como sei que vou estar parte do dia fora, só preciso mesmo de uma boa cama para descansar, opto por não gastar muito dinheiro. Isto vai-me permitir ter mais margem para a parte de lazer, que é quando gosto de ficar instalada num local com qualidade superior, se possível mesmo em cima da praia.

– 9º TRUQUE: Planear o que visitar e em que dia e se tiver que contratar um guia, é altura ideal de começar a procurar um

Nesta fase, sabendo já os dias que vou ter para visitar cada local, começo a organizar um roteiro e caso precise a procurar comentários sobre guias que possam dar uma ajuda. Estabeleço contacto e discuto orçamentos.

– 10º TRUQUE: Aqui não há truque, é apenas sonhar com o dia da viagem e ir fazendo a mala.

EXEMPLO DE COMO GERIR O ORÇAMENTO:

– VIAGEM DE 16 DIAS COM 2 MIL EUROS DE ORÇAMENTO

– VOOS + ALOJAMENTO = 1250 EUROS

– 750 EUROS PARA TUDO O RESTO

Atenção que este é um exemplo de um plano que fiz para uma viagem na Ásia, onde se consegue comer e fazer ligações por preços baixos. Dai que para este tipo de viagem o mais caro vão ser os voos e o alojamento.

Com o orçamento fechado tento nunca ultrapassar e a verdade é que até hoje sempre cumpri. Por vezes até tenho um orçamento bem mais largo do que preciso e admito que nesses casos, em vez de poupar, aproveito para fazer coisas mais extravagantes.

Posto isto, mesmo com orçamentos mais apertados, consegue-se viajar, desde que haja um bom planeamento e a verdade é que esse planeamento é algo que demora muito tempo a fazer, mas que é das coisas que mais gosto de organizar, porque logo ai começo a sentir que já estou a viver a viagem.